Audrey Hepburn & Hubert de Givenchy: A criação de um estilo atemporal

Desde a década de 1920, a alta costura parisiense era vista como o mais glamouroso e sofisticado que poderia existir dentro da moda, e, por esse motivo, costureiros europeus começaram a ser chamados para desenhar figurinos dos filmes de Hollywood. Após a Segunda Guerra Mundial, costureiros franceses como Dior, Givenchy e Balmain encontraram em Hollywood uma fonte importante de marketing e patrocínio para suas marcas. Mais que os próprios filmes, foi pela cobertura da mídia sobre os estilos das atrizes fora da tela, seu gosto e sua personalidade, que as casas de moda fizeram sua publicidade.

Na década de 1950, Edith Head era a figurinista mais requisitada de Hollywood. Edith havia feito o figurino de Audrey Hepburn para o filme “A Princesa e o Plebeu” (1953), fazendo questão de disfarçar diversas características da atriz, como se fossem “defeitos”: pescoço muito grande, ossos da clavícula saltados, seios pequenos e pés grandes. Apesar da supremacia da figurinista em quase todos os filmes de destaque da época, para a produção de Sabrina (1954) o diretor Billy Wilder e sua equipe queriam complementar o figurino do filme com peças de alta costura.

Resultado de imagem para sabrina audrey
Imagem do filme Sabrina (1954)

Sabrina conta a história da filha do motorista de uma rica família, que passa por uma grande transformação quando vai morar em Paris: passa de menina insegura e mal vestida, a uma mulher elegante e confiante. Para mostrar a transformação da personagem, a equipe decidiu que a melhor solução seriam as roupas do jovem e ainda pouco conhecido costureiro parisiense Hubert de Givenchy. Audrey Hepburn foi até Paris escolher pessoalmente três looks para o filme.

Resultado de imagem para sabrina audrey
Sabrina

Hubert de Givenchy se encantou por Audrey desde o início. Depois de “Sabrina”, eles firmaram uma parceria que duraria até o fim da vida de Audrey, e mantiveram uma grande amizade um pelo outro. Givenchy desenhou as roupas de Audrey em vários filmes e também desenhou roupas para o guarda-roupa pessoal da atriz, incluindo os vestidos de seus dois casamentos.

Resultado de imagem para casamento audrey hepburn
Casamento de Audrey Hepburn

Entre os filmes estrelados por Audrey e com figurinos assinados por Givenchy, estão: Cinderela em Paris (1957), Amor na Tarde (1957), Bonequinha de Luxo (1961), Charada (1963) e Quando Paris Alucina (1964). Por quarenta anos, Givenchy foi mais do que um consultor para Hepburn, e ela, mais do que uma cliente para ele. O designer a considerava não apenas amiga e musa, mas também colaboradora durante o processo da construção das roupas, o que explicaria porque ela parecia tão natural e confortável na tela.

Resultado de imagem para bonequinha de luxo
O icônico “pretinho básico” do filme Bonequinha de Luxo (1961)

Audrey nunca parecia estar em um figurino. Era como se ela estivesse com roupas de seu próprio guarda-roupa, como se ela tivesse escolhido o que caberia para cada personagem e trazido de casa para o set. Mesmo fora da tela, nunca parecia que alguém a tinha vestido.

Hubert de Givenchy nasceu em 1927 em uma família aristocrática na cidade de Beauvais, na França. Mudou-se para Paris em 1944, onde estudou na “Ecole des Beaux-Arts”. Começou sua carreira como assistente de Jacques Faith em 1945 e continuou aprendendo sobre estilismo pelos anos seguintes com Robert Piguet, Lucien Lelong e Elsa Schiaparelli. Em 1952, Givenchy inaugurou sua Maison.

Resultado de imagem para audrey givenchy old
Givenchy & Hepburn ❤

Ele ofereceu uma abordagem moderna à alta-costura, evitando decorações e adornos em prol da pureza da linha – uma filosofia de simplicidade que compartilhava com seu mentor, Cristóbal Balenciaga. Audrey foi uma das principais divulgadoras da Maison Givenchy, levando muitas americanas a vestirem as criações do estilista. Ela usava as roupas com tamanha graça e talento que acabou criando um estilo atemporal e de muito impacto na moda, que é inspiração até os dias de hoje.

Audrey disse certa vez sobre Givenchy: As roupas dele são as únicas nas quais eu sou eu mesma. Ele é muito mais que um estilista, ele é um criador de personalidade.

Texto: Isabela de Magalhães